FLORAIS_BACH
Florais de Bach
26 Março, 2010
Ophiuchus
Mudança de Signos?! 13 Signos?!
20 Janeiro, 2011
Mostrar tudo

Qual é o rosto de Cristo?

Desde a primeira vez que uma criança cristã entra numa igreja uma imagem de Jesus Cristo é gravada nas suas mentes. Na América do Norte, ele é frequentemente descrito como sendo mais alto do que os seus discípulos, magro, com longos e fluídos cabelos castanho claro, pele clara e olhos claros. Familiar que esta imagem possa ser, é intrinsecamente errada.

Saiba o que uma equipa de peritos a nível mundial conseguiu utilizando as mais avançadas técnicas forenses e científicas sobre os dados disponíveis…

E veja a face de Cristo segundo a ciência!

 

Holy_Face_of_JesusNa América do Norte, ele é frequentemente descrito como sendo mais alto do que os seus discípulos, magro, com longos e fluídos cabelos castanho claro, pele clara e olhos claros. Familiar que esta imagem possa ser, é intrinsecamente errada. Uma pessoa com essas características e porte físico teria um aspecto muito diferente dos demais na região onde Jesus viveu e ministrou.
Certamente os autores da Bíblia teriam mencionado tão gritante contraste… Pelo contrário, segundo o Evangelho de Mateus, quando Jesus foi preso no jardim do Getsêmani, antes da crucificação, Judas Iscariotes teve de indicar aos soldados quem era Jesus, porque não podia distingui-lo de seus discípulos.

Além disso a nublar a questão da aparência de Jesus é o simples facto de que em nenhum lugar do Novo Testamento, Jesus é descrito. Há o problema adicional de não ter nem um esqueleto, nem material que forneça DNA. Na ausência de provas, as imagens de Jesus têm sido deixadas para a imaginação dos artistas.
As influências das culturas dos artistas e as tradições podem ser profundas, observa Carlos F. Cardoza-Orlandi, professor adjunto do Cristianismo mundial no Columbia Theological Seminary, em Atlanta. “Enquanto o imaginário ocidental é dominante, nas outras partes do mundo, ele é muitas vezes apresentado como negro, árabe ou latino-americano.” E assim permanece a pergunta fundamental:

Qual é o rosto de Jesus?

A resposta surgiu a partir de um novo campo da ciência: a antropologia forense. Usando métodos semelhantes aos que a polícia tem desenvolvido para resolver crimes, cientistas britânicos, assistidos por arqueólogos israelitas, têm recriado o que acreditam ser a imagem mais precisa do rosto mais famoso na história da humanidade.

O Corpo Como prova

A antropologia forense utiliza dados culturais e arqueológicos, bem como as ciências físicas e biológicas para estudar diferentes grupos de pessoas, explica Midori A. Albert, um professor que ensina antropologia forense na Universidade de North Carolina em Wilmington. Especialistas em campos altamente especializados exigem um conhecimento prático da genética e do crescimento e desenvolvimento humano. Na sua pesquisa, utilizaram também os campos da primatologia, paleoantropologia (estudo da evolução dos primatas e humanos) e osteologia humana (o estudo do esqueleto). Mesmo campos aparentemente distantes, como odontologia, nutrição e adaptação às alterações climáticas desempenham um papel neste tipo de investigação.

Enquanto a antropologia forense é geralmente usada para solucionar crimes, Richard Neave, um artista médico aposentado da Universidade de Manchester, na Inglaterra, percebeu que também poderia lançar luz sobre a aparição de Jesus. O co-autor do Making Faces: Using forensics, Neave aventurou-se já em áreas controversas: durante as últimas duas décadas, teve dezenas de rostos famosos reconstruídos, incluindo Filipe II da Macedônia, pai de Alexandre, o Grande, e Rei Midas da Frígia. Se alguém poderia criar um retrato fiel de Jesus, seria Neave.

Reconstruindo Jesus

lg_grid-lg-mdnEm Mateus, na descrição dos eventos no Getsêmani, oferece-se uma pista óbvia para o rosto de Jesus. É evidente que suas feições eram típicas da galileia e assim o primeiro passo para Neave e sua equipe de pesquisa foi a aquisição de crânios de Jerusalém, a região onde Jesus viveu e pregou. Crânios semitas deste tipo já haviam sido encontrados pelos peritos pela arqueologia israelita, que partilhou com Neave.

Com três espécimes bem preservados do tempo de Jesus na mão, Neave usou tomografia computadorizada para criar raios-X em “fatias” de caveiras, revelando detalhes minuciosos sobre a estrutura de cada um. Programas de computador especiais, em seguida, avaliaram resmas de informações sobre as medidas conhecidas de espessura do tecido mole em áreas-chave em rostos humanos. Isto tornou possível recriar os músculos e pele que recobre o crânio semita representante.

Todo o processo foi realizado usando um software que verifica os resultados com os dados antropológicos. A partir destes dados, os pesquisadores construíram uma reconstrução digital 3D do rosto. Em seguida, eles criaram um molde do crânio. Camadas de argila correspondentes a espessura dos tecidos faciais especificado pelo programa de computador, foram então aplicadas, juntamente com a pele simulada. O nariz, lábios e pálpebras foram então modelado para seguir a forma determinada pelos músculos subjacentes.

lg_guy-lg-3-mdnUma questão de estilo

Dois factores-chave não podem ser determinados a partir do crânio – o cabelo de Jesus e a coloração. Para preencher essas partes da imagem, a equipe Neave transformou desenhos encontrados em vários sítios arqueológicos, datados do primeiro século. Desenhos feitos antes da Bíblia foram compilados trazendo pistas cruciais que permitiram aos pesquisadores determinar que Jesus tinha olhos escuros em vez de olhos claros. Eles também apontaram que, de acordo com a tradição judaica, ele foi barbudo também.

Foi a Bíblia, porém, que resolveu a questão do comprimento do cabelo de Jesus. Enquanto a maioria dos artistas religiosos colocam cabelos longos em Cristo, a maioria dos estudiosos bíblicos acreditam que ele provavelmente era curto com cachos definidos. Esta hipótese, no entanto, contradiz o que muitos acreditam ser a representação mais autêntica: o rosto visto na imagem, no famoso – alguns dizem ‘infame’ – Santo Sudário de Turim. O sudário é considerado por muitos como o pano no qual o corpo de Jesus foi envolvido após sua morte. Embora haja uma diferença de opinião sobre se o sudário é verdadeiro, ele mostra claramente uma figura com cabelos longos. Num dos muitos livros do Novo Testamento, o apóstolo Paulo é creditado com a escrita de um capítulo onde menciona ter visto Jesus… posteriormente descreve o cabelo comprido num homem como vergonhoso. Será que Paulo escreveria: “Se um homem tem cabelo comprido, é uma vergonha para ele” se Jesus Cristo teve cabelo comprido?
Para Neave e sua equipa estava resolvido o problema. Jesus, como os desenhos do primeiro século representam, teria cabelo curto, adequado aos homens da época.

O registo histórico também resolveu o problema da altura de Jesus. De uma análise dos restos ósseos, os arqueólogos tinham estabelecido firmemente que a média de construção de um homem semita na época de Jesus era 5,1 pés, com um peso médio de cerca de 110 quilos. Uma vez que Jesus trabalhou no exterior como carpinteiro, e até porque ele tinha aproximadamente 33 anos, é razoável supor que ele estava mais musculoso e fisicamente apto comparando com o que sugerem retratos ocidentalizados. O seu rosto foi, provavelmente, exposto às intempéries, o que teria feito com que ele parecesse mais velho do que a sua idade, também.

Um retrato preciso

Para aqueles acostumados com os tradicionais retratos de catequese de Jesus, a escultura do escuro e moreno homem do Oriente Médio que emerge do laboratório Neave é um lembrete das raízes da sua fé. “O facto de que ele provavelmente parecer muito mais com um semita de pele mais escura do que os ocidentais estão acostumados a ver nele é uma lembrança de sua universalidade”, diz Charles D. Hackett, director de estudos Episcopal da Escola Candler de Teologia em Atlanta.

Neave sublinha que a sua re-criação é simplesmente a de um homem adulto, que viveu no mesmo lugar e ao mesmo tempo, como Jesus. Como poderia ser esperado, nem todos concordam. Representações forenses não são uma ciência exacta, adverte Alison Galloway, professor de antropologia na Universidade da Califórnia em Santa Cruz. Os detalhes de um rosto seguem o tecido mole acima do músculo, e é aqui onde os artistas forenses diferem muito na técnica. Galloway salienta que alguns artistas prestam mais atenção às diferenças subtis em detalhes como a distância entre a parte inferior do nariz e da boca. E as características mais conhecidas do rosto – as dobras dos olhos, a estrutura do nariz e o formato da boca – são deixados para o artista. “Em alguns casos a semelhança entre a reconstrução e o indivíduo real pode ser estranha”, diz Galloway. “Mas em outros, pode haver mais semelhança com outra obra do mesmo artista.” Apesar dessa reserva, ela chega a uma conclusão que é inevitável: “Este é provavelmente muito mais perto da verdade do que o trabalho de muitos grandes mestres ocidentais influenciados pela cultura e pela arte da época.”

tb_jesuslead-lg-mdn

Comentários

0
0
0
0